Embolização de mioma uterino: alternativa de tratamento que preserva o útero

Luca Moreira
4 Min Read

Por Dr. Rafael Noronha, Especialista em Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular pelo Hospital das Clínicas da FM-USP e fellowship no Hospital St’Georges Healthcare, em Londres. Cirurgião Vascular pela Faculdade de Medicina do ABC. Doutorado pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Referência em procedimentos de embolização. Atuação no Hospital Alemão Oswaldo Cruz e sócio do CAVA: Centro Avançado de Cirurgia Endovascular e Radiologia Intervencionista.

O mioma uterino é um tumor benigno muito comum, que acomete a maioria das mulheres ao longo de suas vidas. De fato, estudos estimam que 70 a 80% da população feminina irá apresentá-los em algum momento, sendo fundamental, portanto, que as mulheres estejam esclarecidas sobre seus sintomas e formas de tratamento.

Em um estudo de 2013, com quase mil mulheres, cerca de 80% delas responderam que gostariam de um tratamento que não envolvesse cirurgia invasiva, 51% que esse tratamento preservasse o útero e 42% daquelas com menos de 40 anos desejavam ainda manter a fertilidade.

Apesar disso, a maioria das mulheres jamais foi informada a respeito da possibilidade de tratamento dos miomas com embolização, uma técnica minimamente invasiva e que preserva o útero. Em um estudo americano de 2017, 60% das entrevistadas desconheciam a existência do procedimento.
A maioria dos miomas é assintomática e detectada por acaso durante a realização de exames de imagem. Entretanto, 30 a 50% deles podem causar sangramento menstrual aumentado, dor pélvica, constipação, incontinência urinária e até infertilidade, impactando na qualidade de vida das mulheres acometidas.

Para os casos em que se recomenda tratamento cirúrgico, a retirada total do útero (histerectomia) ainda é o procedimento mais realizado.

Entretanto, tem-se associado tal tratamento a efeitos negativos em médio e longo prazo, como maior incidência de problemas psicológicos (ansiedade e depressão) e a um aumento no risco de prolapso vaginal, incontinência urinária e até mesmo de alguns tipos de câncer, como tireóide e células renais.
Um estudo recente demonstrou, inclusive, que mulheres submetidas à histerectomia apresentaram risco aumentado de hiperlipidemia (colesterol e triglicérides), hipertensão, obesidade e arritmias cardíacas em comparação a mulheres que mantiveram seus úteros.

Quando a histerectomia foi realizada com menos de 35 anos de idade, as pacientes passaram, inclusive, a apresentar risco 4.6 vezes maior de insuficiência cardíaca e 2.5 vezes maior de doença coronariana.

Felizmente, existem atualmente opções minimamente invasivas de tratamento, que possibilitam a preservação do útero e da fertilidade, como a embolização das artérias uterinas, realizada por médico especialista em radiologia intervencionista.

Nessa abordagem, um cateter é inserido na circulação e navega até os vasos que alimentam o útero e os miomas. Neste local são injetadas pequenas partículas que ocluem a circulação dos miomas, causando resolução dos sintomas em 90% dos casos e redução de cerca de 50% do tamanho dos miomas.

Com isso em mente, defendemos ser fundamental que todas as mulheres sejam plenamente informadas tanto sobre a condição, quanto sobre todas as opções de tratamento, para que possam fazer parte do processo de decisão a respeito de qual delas se adequa melhor ao seu caso. https://rafaelnoronhacavalcante.com/

Share this Article