Cirurgia robótica para câncer de próstata é alternativa para evitar impotência e incontinência

Luca Moreira
6 Min Read

Novembro azul é um alerta para homens cuidarem mais da sua saúde e de conhecer novos tratamentos que minimizam sequelas, tempo de tratamento e de hospitalização

Alguns dos desafios da campanha de combate ao câncer de próstata (“novembro azul”) é diminuir o preconceito, ressaltar a importância dos exames preventivos, discutir sobre a saúde do homem e apresentar novas tecnologias em prevenção e tratamentos. De acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). O instituto aponta que esse tipo de câncer atinge anualmente 29% dos homens no Brasil e causa cerca de 15 mil óbitos anuais, a segunda maior taxa de mortalidade por câncer que atinge homens no país.

Nesse contexto, o Dr. Bruno Benigno, renomado especialista em cirurgia robótica e chefe de equipe de Urologia no Centro de Oncologia e Urologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo, destaca a importância de uma avaliação abrangente da saúde masculina. Ele enfatiza não apenas a saúde prostática, mas também outros aspectos como atividade física, qualidade do sono e alimentação.

Os tratamentos evoluíram muito. Dentre as novidades, destaca-se a cirurgia de Prostatectomia Radical Robótica, para retirada do câncer de próstata e feita com auxílio de robô manipulado pelo cirurgião. O procedimento faz remoção total da próstata e é indicado principalmente quando o paciente apresenta doença localizada somente na próstata. “A cirurgia robótica apresenta técnicas menos invasivas e é executada através de microcâmera introduzida pelo abdômen, por um pequeno furo e por pinças, também introduzidas por pequenos furos. Este método promove menos dor, sangramento e o paciente recebe alta mais rápido”, explica Benigno, um dos 320 urologistas aptos no País para executar tal técnica.

Além disso, ele destaca a ampliação na utilização de novos testes sanguíneos mais precisos que o PSA, como o PHI Score e o 4K Score. “Estes testes são feitos no sangue e avaliam proteínas semelhantes ao PSA e que têm alta correlação com a existência do câncer de próstata. Esta inovação representa um avanço significativo na precisão diagnóstica.”

Estima-se que, ao ser diagnosticado no início, 9 entre 10 homens têm êxito no tratamento do câncer. Ótima margem, mas que não representa a realidade, já que exames de prevenção do câncer ainda são tabus entre homens, o que torna as idas ao urologista bem inferiores às das mulheres ao ginecologista.

Dentre os exames para avaliação da saúde da próstata, os mais comuns são o toque retal e a dosagem de PSA (Antígeno Prostático Específico). O toque é um exame comentado por gerar insegurança e preconceito pela maioria dos homens. Um dos objetivos do Novembro Azul é encorajar a sua realização. Por meio dele é possível identificar sinais de doenças como inflamações, alterações nas glândulas e o surgimento de nódulos. Já o exame de sangue identifica se os níveis de PSA estão elevados. Biópsia, ultrassonografia, ressonância magnética e tomografia computadorizada podem ser solicitados para um diagnóstico detalhado.

Benigno lembra que outra evolução notável é a integração da ressonância magnética antes da biópsia de próstata, que permite identificar com mais precisão os focos de doença dentro da próstata que poderiam não ser identificados no momento de uma biópsia. Esta técnica melhora a eficácia do diagnóstico e reduz os riscos de falsos negativos.

“A inteligência artificial é uma novidade que passa a ser integrada na fase de diagnóstico, permitindo que algoritmos analisem uma enorme quantidade de fotos do tecido da biópsia de próstata, indicando para o médico as principais áreas de agressividade da doença; assim como possibilitando avaliar melhor o prognóstico e resposta dos pacientes a determinados tipos de tratamento, como a radioterapia e hormonioterapia”, diz. Para ele, este avanço representa um marco na personalização do tratamento do câncer de próstata.

O diagnóstico precoce continua sendo essencial para combater a doença, que muitas vezes é “silenciosa”. Por isso, é recomendável que homens a partir dos 45 anos procurem um urologista e realizem exames preventivos regularmente, um passo vital para aumentar as chances de sucesso no tratamento.

Dr. Bruno Benigno

Desde 2017 é chefe de Urologia do Centro de Oncologia e do Centro de Urologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP), é fundador da Clínica Uro Onco em São Paulo, é especialista no tratamento do câncer do sistema urinário (masculino e feminino) e sistema reprodutor masculino, no tratamento do câncer de próstata, rim, bexiga, testículos e cálculos do sistema urinário. Tem subespecialização em Cirurgia Robótica, Laparoscopia e Terapia Focal (HIFU).

Youtube | Videocast Doutor Bruno Benigno

Instagram | @dr_benigno

Facebook | Bruno Benigno

Blog | Uro Onco

Share this Article