Jessica Bryant Klagmann fala sobre lançamento de “This Impossible Brightness”

Luca Moreira
14 Min Read
Jessica Bryant Klagmann

Jessica Bryant Klagmann, autora de “This Impossible Brightness”, verá seu romance de estreia ser lançado pela Lake Union Publishing em 1º de fevereiro de 2024, atualmente destacado como uma seleção do Amazon First Reads para janeiro!

“This Impossible Brightness” é uma obra de ficção especulativa repleta de esperança, representando uma estreia incrivelmente imaginativa que explora temas de luto, conexão e o poder da narrativa em um cenário ambientado numa ilha remota, ameaçada pelas mudanças climáticas.

A trama se desenrola em 2026, quando a costa do Atlântico Norte está sendo gradualmente engolida pelas águas. O nível do mar supera as projeções, casas deslizam em direção à água e comunidades insulares são forçadas a se realocar. Em meio a esse caos, surge Violette, uma tranquila cidade insular que, pelo menos por enquanto, escapou dos impactos graças à sua elevação e localização. No entanto, a chegada de novos habitantes à ilha é não apenas rara, mas praticamente inexistente. Optar por residir em um local com um futuro tão sombrio parece tão absurdo quanto mudar-se para lá.

Alma Hughes procura a solidão após o desaparecimento misterioso de seu noivo, e Violette se revela o local ideal. Com dois primos e uma tia entre os 271 habitantes da ilha, ela tem alguma ligação com esse lugar isolado. No entanto, ao chegar lá, Alma descobre que a peculiar cidade esconde mistérios próprios, que em breve a envolverão de maneira intensa.

Os moradores afirmam que a torre de rádio que domina a cidade transmite mensagens através de eletrodomésticos, sonhos e até mesmo o próprio mar. Quando um raio atinge a torre, iluminando o céu com um brilho intenso, Alma se vê presa às consequências inexplicáveis de uma das tempestades mais mortais de Violette.

À medida que o mar avança, ameaçando a existência da ilha, as mortes e as memórias perdidas dos recentemente falecidos também assolam a comunidade. Alma, com uma conexão única com os perdidos, talvez seja a única capaz de ajudá-los a seguir em frente. No entanto, para fazer isso, ela terá que confrontar sua própria perda trágica.

“This Impossible Brightness” captura de maneira especial a beleza e a grandiosidade da natureza, bem como nossa posição frágil no mundo, ao mesmo tempo que oferece uma meditação reflexiva sobre perda, luto e conexão.

O que é que inspirou a criação da história “Este brilho impossível”?

Propus-me escrever sobre alguém introvertido e sensível, que tinha dificuldades devido a estas características, porque também queria fazer a diferença. Estava a pensar naquele velho conselho de “escrever o que se sabe” e percebi que o que sei realmente bem é ser introvertida num mundo que muitas vezes parece extrovertido. Também já há algum tempo que penso e escrevo sobre o luto, da forma mais esperançosa possível, e queria explorar isso com mais profundidade num romance. Escolhi o cenário do Atlântico Norte porque sempre tive curiosidade em escrever algo sobre essa zona, onde passei algum tempo em criança. Tenho família do lado do meu pai da Nova Escócia e, por isso, houve um elemento de homenagem, com o cenário e muitos dos nomes usados no livro. Mas não deixa de ser uma obra de ficção completa, apesar das muitas influências da minha vida que aparecem.

Como é que abordou a construção do cenário distópico da ilha e a sua ligação às alterações climáticas no seu romance?

Na verdade, o cenário foi o que iniciou o aspecto distópico. O facto de o local se estar a perder devido à subida dos mares foi crescendo à medida que eu escrevia. No início, tive ideias para outros cenários em que as alterações climáticas não eram uma caraterística tão proeminente, mas assim que me decidi pelo Atlântico Norte, pensei realisticamente sobre o que estaria a acontecer neste lugar daqui a décadas. E, realisticamente, essa parte do mundo já está a sofrer inundações mais frequentes e destrutivas. Mas também não queria pintar um quadro demasiado negro. Afinal, é uma história sobre esperança. Por isso, tentei manter os aspectos das alterações climáticas como pano de fundo para a história humana de Alma a aprender a ouvir o mundo à sua volta.

Na história, Alma Hughes enfrenta um sofrimento significativo. Como é que este tema se desenvolve e influencia a narrativa?

Vemos Alma a sofrer logo de início, quando está no barco a viajar para Violette. No início, tudo o que ela quer é que lhe seja permitido fazer o luto à sua maneira. Não quer seguir em frente, que é o que muitas pessoas na sua vida sugerem que ela deve fazer. Leva consigo muitas das coisas do noivo perdido para este novo local e o seu luto inclui passar algum tempo sozinha em casa com esses objetos. Como ela se mudou para esse lugar para se afastar da sociedade, quando se depara com a situação única de ser a única pessoa que pode ver e falar com os Ecos, é o melhor dos dois mundos para ela – um senso de comunidade que não exige muito dela emocionalmente. Até lhe oferece a possibilidade de encontrar o eco do seu noivo lá fora. Vemo-la a entrar numa espiral de solidão, numa tristeza disfarçada de obsessão. Eventualmente, ela é levada a conectar-se novamente, e esse é o coração da história

– Alma aprendendo a conectar-se novamente consigo mesma, com outras pessoas, com a família, com o mundo natural. É isso que finalmente a tira da tristeza.

A torre de rádio e as suas mensagens misteriosas dão um toque único ao enredo. De onde veio a inspiração para este elemento?

Isto não fazia parte dos primeiros rascunhos do livro. Inicialmente, fiquei fascinada com a estação sem fios de Marconi em Glace Bay, Nova Escócia. A ideia de que Alma e Alex tinham enviado mensagens um ao outro quando eram crianças estava sempre presente. Mas enquanto estava a fazer alguma pesquisa, li uma história sobre uma cidade em New Brunswick onde os habitantes ouviam transmissões através dos seus eletrodomésticos. Parei imediatamente de ler sobre o assunto porque sabia que queria friccionar a história e não queria conhecer muitos dos factos reais. Pensei muito sobre estas emissões e porque é que podem ser significativas para alguém que está de luto. Para alguém que está a viver na memória, a ideia de que as emissões não estavam a chegar às ondas de rádio em tempo real, mas sim a viajar do passado como ecos, encaixava perfeitamente na história.

A narrativa parece entrelaçar elementos de ficção especulativa, romance e reflexão ambiental. Como é que conseguiu equilibrar estes diferentes aspectos?

Não pensei muito no género enquanto estava a escrever. Na verdade, nunca pensei. Quando comecei a escrever a sério na faculdade, o realismo mágico tornou-se rapidamente o género que mais me tocava. Agora, acho que o género especulativo se adequa melhor ao que escrevo. Há mais projeções de futuros possíveis. É um pouco mais ficção científica e distópico. Também sempre escrevi não-ficção que se debruça sobre o ambiente e a forma como nos relacionamos com o mundo natural. Isso acabou por entrar na minha ficção, pois aprendi que a ficção pode muitas vezes revelar a verdade mais facilmente do que a não-ficção. Mas os muitos aspectos de uma narrativa – romance, tensão, reflexão – são, para mim, partes essenciais de qualquer narrativa. Por mais especulativa que seja uma história, se não estiver a contar uma história fundamentada com a qual as pessoas se possam identificar, não vai resultar.

Jessica Bryant Klagmann

O livro destaca a ligação única de Alma com o falecido. Como é que esta dinâmica contribui para a exploração do luto e da resiliência?

Alma é empática, para além de ser introvertida, e sempre pensou nisso como uma fraqueza. Mas as suas experiências em Violette, e as suas interações com certas personagens, mostram-lhe que pode ser uma força. Por exemplo, é devido a esta empatia que ela é capaz de ver e falar com os ecos e ajudá-los a seguir em frente. É a sua ligação ao falecido que a leva a ultrapassar o seu luto e a reavaliar esta parte de si própria que nunca compreendeu totalmente. Ela entra numa espiral descendente durante algum tempo, mas no final, é uma pessoa muito mais confiante e resistente.

A Ilha Violette é retratada como um lugar peculiar. Existem influências específicas que incorporou na criação desta comunidade fictícia?

Recorri muito às minhas memórias de quando visitava a Nova Escócia quando criança e entrei em contato com alguns dos meus familiares. Eles enviaram-me fotografias e contaram-me histórias sobre o tempo que lá passaram. Também fiz muita pesquisa e li sobre lugares no Atlântico Norte, juntando pedaços de muitas ilhas e comunidades costeiras diferentes. É realmente uma manta de retalhos de lugares que fui cosendo ao longo da escrita do romance.

Como é que a protagonista Alma evolui ao longo da história, especialmente em relação à sua jornada de luto?

Alma está num ponto bastante baixo quando a conhecemos no início, mas à medida que a história avança, ela afunda-se ainda mais. Com o desaparecimento do noivo, a morte do cão e os fantasmas com que se encontra, fica bastante perdida. Ela aprofunda a sua tristeza, torna-se obsessiva em voltar a ligar-se ao noivo perdido através do rádio e passa o máximo de tempo possível com os mortos em vez de com os vivos, porque acha mais fácil gerir as muitas emoções. Mas cada um dos fantasmas tem algo a ensinar-lhe sobre a vida e, no final, ela é forçada a aceitar o facto de ter passado demasiado tempo a evitar as pessoas e a sociedade. Que ficou paralisada pelo medo de ser ela própria no mundo. A sua evolução como personagem é plenamente realizada quando aceita quem é e reconhece que tem algo para oferecer.

O romance aborda a relação do homem com a natureza. Como espera que os leitores reflitam sobre este tema depois de lerem o livro?

Cresci com uma ligação ao mundo natural – o meu pai era agricultor biológico e apicultor, e ambos os meus pais se tornaram ervanários enquanto eu era jovem. Fazíamos caminhadas, andávamos de canoa e acampávamos a toda a hora, e eles incutiram em mim esse amor pela natureza desde o início. Sempre encontrei muito conforto no mundo natural e, quer estivesse em Nova Inglaterra, no Alasca, no Novo México ou em qualquer outro lugar, estar na natureza tem sido a melhor forma de ultrapassar os momentos difíceis. Espero que os leitores se sintam inspirados a procurar consolo na natureza também, e a considerar o que todos nós podemos fazer para curar o nosso planeta.

Que mensagem ou emoção espera que os leitores retirem do livro “This Impossible Brightness”?

Espero que as pessoas saiam com a sensação de que, embora contar histórias seja importante na vida, ouvir é igualmente essencial, quer isso signifique ouvirmo-nos a nós próprios, às outras pessoas, aos “fantasmas” que trazemos conosco, à terra que nos rodeia. E que, embora a vida esteja cheia de incógnitas, a tristeza e a esperança podem coexistir. Têm de coexistir.

Acompanhe Jessica Bryant Klagmann no Instagram

Share this Article