Entre Palavras e Natureza: Descubra o Universo Encantador de Paulina Kuzawińska, a Alma Antiga da Escrita

Luca Moreira
14 Min Read
Paulina Kuzawińska

Em um mundo de palavras meticulosamente escolhidas e paixões entrelaçadas com a natureza, surge a figura cativante da renomada autora polonesa, Paulina Kuzawińska. Com sua obstinação introvertida e uma conexão intrínseca com a beleza natural, Kuzawińska encontra na escrita sua ferramenta para transcender para épocas passadas e dar vida a mundos únicos no papel.

Áries por signo zodíaco e com a marca do número nove na numerologia, ela se revela uma alma antiga em busca de quebra-cabeças, segredos e emoções. Neste mergulho profundo em suas palavras cuidadosamente escolhidas, descobrimos não apenas uma escritora, mas uma contadora de histórias que tece magia com a simplicidade das letras.

Kuzawińska nos convida a explorar seu universo, onde livros antigos, desenhos animados dos anos 90 e filmes de Hitchcock se entrelaçam em uma tapeçaria única de inspiração. Prepare-se para uma jornada literária guiada pela mente criativa e pela paixão singular desta autora, cujas palavras ecoam como um convite para desvendar o extraordinário em meio ao ordinário.

A paixão pela escrita e a influência das palavras na criação de mundos ficcionais são elementos notáveis ​​em suas obras. Como você incorpora essa capacidade única de dar vida a épocas passadas em suas narrativas?

Dar vida a épocas passadas em narrativas é um desafio fascinante para mim como escritor. Gosto de desafios e talvez por isso o passado, na perspectiva de um autor, me pareça mais interessante do que o presente – um romance ambientado no passado permite-nos descobrir um mundo que já não existe. Ao escrever, procuro mergulhar na realidade da época, não só reproduzindo o contexto histórico, mas também sentindo empatia pela forma como as pessoas pensavam naquela época e pelos seus costumes. A linguagem é uma ferramenta importante para mim – procuro torná-la um tanto lírica, salpicada de um toque arcaico, mas clara e compreensível para o leitor contemporâneo.

Adoro quando uma história se torna uma espécie de máquina do tempo, transportando o leitor para épocas distantes. Pretendo proporcionar experiências semelhantes em meus livros, permitindo que os leitores se transportem momentaneamente para diferentes épocas e lugares. Meu objetivo é criar uma história que seja fiel às realidades históricas e envolvente, cheia de emoções e experiências humanas atemporais.

A busca pela verdade e os mistérios ocultos parecem ser temas recorrentes em seus livros. Como você desenvolve esses elementos em suas histórias, principalmente a relação entre segredos do passado e reviravoltas inesperadas?

Acredito que uma história bem contada sempre guarda algum mistério, e é o mistério que atrai os leitores para a história, mantém o interesse e proporciona suspense na expectativa de sua resolução. Os segredos do passado são ferramentas valiosas para um escritor, pois influenciam inegavelmente o presente. Nas minhas histórias, desvendar esses mistérios ajuda os personagens a compreender melhor sua situação atual. Acho que a busca pela compreensão da realidade é uma necessidade psicológica inata do ser humano, por isso essas histórias intrigam. Devo admitir que quando planejo um romance, geralmente começo com um mistério. O mistério muitas vezes constitui o eixo em torno do qual construo a trama.

Em “Żona alchemika”, “Dama z wahadełkiem”, “Dama ze szmaragdami” e “Dama z woalką”, notamos a presença de fortes protagonistas femininas. Qual a importância desses personagens em suas narrativas e como você os desenvolve ao longo das tramas?

As personagens femininas desempenham frequentemente um papel fundamental na minha narração, embora eu também goste de criar protagonistas masculinos, como o Padre Flynn do meu último romance “Czarownica”. Assim como as pessoas reais, os personagens dos livros se desenvolvem e se transformam quando saem de sua zona de conforto e enfrentam diversos desafios. Como autor, muitas vezes crio situações que tiram o personagem de seu espaço seguro e o forçam a enfrentar dificuldades. É através desses desafios e provações que os personagens evoluem e ganham profundidade.

Em épocas passadas, onde os meus romances se passam, as mulheres muitas vezes tinham ferramentas e oportunidades limitadas para tomar decisões sobre as suas vidas. Por esse motivo, muitas vezes minhas heroínas têm que demonstrar maior determinação e coragem para superar obstáculos e alcançar seus objetivos. Um exemplo pode ser a personagem Weronika de “Żona alchemika”, que, apesar das limitações da época, segue corajosamente as suas convicções e se esforça para realizar os seus próprios objetivos e ambições.

Seus livros mergulham em intrigas sensacionais de estilo retrô, com tramas românticas e crimes misteriosos. Como você equilibra esses diferentes elementos para criar uma atmosfera cativante e envolvente?

A atmosfera de um romance é muito importante para mim. Acredito que permite significativamente ao leitor se transportar mentalmente para um lugar e tempo específicos, ao mesmo tempo que influencia suas emoções. A atmosfera atua como um catalisador para a imaginação, fazendo com que até os cenários mais improváveis ​​pareçam possíveis. Gosto de histórias de estilo vitoriano, onde o romance e um certo tipo de terror se entrelaçam. Combinar esses elementos é como andar na corda bamba para mim – confio principalmente na minha intuição. Quando crio, tento ouvir minhas próprias emoções e reações às cenas que escrevo.

Em “Cienie Paryża”, você transporta os leitores para Paris em 1889, durante a Exposição Mundial. Como você pesquisa e recria esses ambientes históricos de forma autêntica, ao mesmo tempo que introduz elementos de terror romântico?

Ao escrever “Cienie Paryża”, procurei captar a realidade de Paris em 1889, durante a famosa Exposição Mundial. Meu conhecimento de francês me permitiu acesso direto a textos e desenhos originais da época, disponíveis em bibliotecas online francesas. Isso me permitiu mergulhar mais profundamente naquele período e compreender melhor sua realidade.

Acho que o desafio de escrever um romance com pano de fundo histórico reside em selecionar os elementos de fundo que serão mais interessantes e relevantes para a história, sem sobrecarregar o leitor com um excesso de fatos históricos. Mesmo que certos detalhes históricos me parecessem fascinantes, tive que limitá-los e escolher apenas aqueles que melhor serviam à história, enriquecendo-a sem prejudicar o ritmo da narrativa. Espero ter conseguido isso.

Paulina Kuzawińska

O universo mágico e intrigante de “Zaklęcie na wiatr” sugere uma viagem fascinante. Como você desenvolve a mitologia e os elementos mágicos da história e como esses elementos contribuem para o desenvolvimento dos personagens?

No romance “Zaklęcie na wiatr”, desenvolver mitologia e elementos mágicos foi ao mesmo tempo uma diversão fantástica e um desafio para mim. Semelhante à criação de romances com antecedentes históricos, escrever fantasia exige avivar a imaginação e usá-la para criar um mundo que atualmente não existe. É isso que liga estes dois géneros e é um dos aspectos da escrita que mais me traz alegria: criar uma realidade que ganha vida através do poder da imaginação e mostra algo diferente do nosso aqui e agora.

Acredito que ao escrever fantasia é particularmente importante prestar atenção à consistência do mundo apresentado. Para mim, é importante que a magia das minhas histórias, assim como as leis da física no mundo real, sigam princípios geralmente aceitos. Isto significa que os elementos mágicos não só proporcionam certas possibilidades aos meus personagens, mas também lhes impõem limitações, que devem enfrentar.

Suas obras parecem mergulhar profundamente em temas como amor, tragédia, mistério e vingança. Como você equilibra essas emoções intensas enquanto mantém a narrativa fluindo de forma coesa?

Explorar emoções intensas nas histórias exige ouvir as próprias reações e intuição. Como se sabe, as emoções são sentidas não apenas pela mente, mas principalmente pelo corpo – o medo acelera os batimentos cardíacos, a alegria traz uma sensação de leveza e a tristeza faz com que as lágrimas fluam dos nossos olhos. Ao descrever os sentimentos dos personagens, frequentemente me refiro a essas reações físicas às emoções. No mundo de hoje, onde emoções intensas estão presentes em todo o lado – nos meios de comunicação, no cinema, na política – os leitores parecem estar habituados a experiências emocionais fortes. Por outro lado, procuro que a leitura dos meus romances deixe o leitor com uma sensação de satisfação e, apesar de tudo, lhe traga prazer, mesmo que o livro aborde temas obscuros e tristes – tal como o meu último romance “Czarownica”, que se passa na Irlanda após o período da Fome Gre.at.

Alguns de seus livros incorporam elementos históricos e figuras reais como parte da trama. Como você pesquisa e integra esses eventos e personagens históricos para criar uma experiência autêntica e envolvente para os leitores?

Ao incorporar eventos e figuras históricas em meus livros, sou guiado principalmente por uma profunda imersão na época que estou descrevendo. Tento utilizar o acesso a fontes que me permitam fazer isso, como fiz no caso de “Cienie Paryża”. É importante para mim selecionar os elementos históricos que serão mais significativos para a trama, ao mesmo tempo que garanto não sobrecarregar o leitor com excesso de informações. Procuro fazer com que os aspectos históricos interajam harmoniosamente com os elementos ficcionais da história, criando uma narrativa coesa.

Você mencionou seu amor por livros antigos, desenhos animados dos anos 90 e filmes de Hitchcock. Como essas influências se refletem no seu estilo de escrita e na construção das narrativas dos seus livros?

Eu absolutamente adoro o trabalho de Hitchcock. O suspense, o mal-estar e as soluções inesperadas nas obras de Hitchcock, bem como os cantos obscuros da psique humana que ele explora, são elementos que me intrigam continuamente. Entretanto, os desenhos animados dos anos 90 e o amor pelos livros antigos fazem parte da minha infância, tal como escrever romances, que é para mim a realização de sonhos de infância. Embora eu não tenha certeza até que ponto todos esses elementos influenciam diretamente meu estilo de escrita, eles certamente me proporcionam imensa inspiração.

Como o seu signo de Áries e sua identificação com o número nove influenciam ou se manifestam em suas histórias e na maneira como você aborda a criação de personagens complexos e enredos intrigantes?

Estou interessado em astrologia e numerologia. Mesmo que alguns abordem esses campos com ceticismo, considero-os ferramentas muito intrigantes para um escritor. Tanto o zodíaco quanto os números numerológicos servem como uma espécie de arquétipo meu para mim, cada um possuindo lados claros e escuros. Cada signo do zodíaco é caracterizado por um conjunto único de características, fraquezas e qualidades excepcionais, como vários elementos. Aprender e tentar compreender esses arquétipos ajuda na criação de personagens multidimensionais, cheios de vida e convincentes. Acredito que os arquétipos expressos no zodíaco, na numerologia e no tarô ilustram simbolicamente os diversos aspectos da experiência humana que todos buscamos em uma boa história.

Em relação ao meu signo solar na astrologia, Áries, ele é frequentemente associado à energia ígnea, coragem e determinação – rapidamente fico entusiasmado com novas ideias e quero implementá-las imediatamente. Enquanto isso, o número nove na numerologia está frequentemente associado à criatividade, à empatia e a uma compreensão profunda da natureza humana. Nove significa uma alma antiga, e acho que realmente combina comigo. Isso também pode explicar meu gosto por épocas passadas e pela introversão – afinal, corresponde ao arquétipo do Eremita.

Siga Paulina Kuzawińska em Instagram

Share this Article