Baseado nos clássicos, Jussara Leal promove junção do universo das máfias com o romance proibido em novo livro

Luca Moreira
8 Min Read
Jussara Leal

Com uma trama envolvente que rivaliza com clássicos como “Romeu e Julieta”, a autora best-seller da Amazon, Jussara Leal, leva os leitores a uma jornada eletrizante pelo submundo da máfia do jogo do bicho no Rio de Janeiro em seu novo livro, “Herdeiro do Império”. Com mais de 150 milhões de leituras na plataforma, Leal quebra os clichês das máfias europeias e asiáticas ao apresentar uma narrativa intensa e cheia de reviravoltas.

No romance sombrio, os protagonistas Bruno Negão e Maia Galina, herdeiros de famílias rivais, se veem envolvidos em uma paixão proibida e perigosa após se encontrarem durante o Carnaval. Sob os pontos de vista de Bruno e Maia, o leitor é levado a vivenciar uma história de amor, traição e redenção que desafia os limites da legalidade e do coração.

Além das emocionantes reviravoltas e cenas de ação, “Herdeiro do Império” também destaca questões sociais como o machismo estrutural brasileiro, evidenciando como as mulheres são subestimadas no mundo dos negócios e lutam contra a opressão masculina. Com uma trama envolvente e reflexiva, Jussara Leal mais uma vez demonstra sua maestria em cativar os leitores e levá-los a mergulhar fundo em suas histórias.

Como surgiu a inspiração para criar uma história de dark romance ambientada no submundo do jogo do bicho no Rio de Janeiro?

Eu sempre quis escrever sobre máfia, no entanto, não queria mais do mesmo que costumamos encontrar nos livros de romance de máfia, que giram mais em torno da máfia russa, italiana, entre outras. Eu nunca tinha visto um romance de máfia brasileira, especialmente sobre o Jogo do Bicho, então juntei a minha vontade com a ausência do tema, e escrevi Herdeiro do Império.

Pode nos contar mais sobre a construção dos personagens Bruno Negão e Maia Galina? Quais foram os desafios ao desenvolver protagonistas inseridos em um contexto tão intenso?

Bruno e Maia são os únicos herdeiros dos dois maiores bicheiros do Brasil. Eles ficarão com todo o império construído pelos pais, desde que assumam o lugar deles na contravenção. O primeiro grande desafio é o fato de nenhum dos dois estar feliz com esta “herança”. Quis criá-los assim para mostrar um outro lado que pode acontecer. Nem todos querem ou estão dispostos a entrar para o submundo. Daí em diante, vem os demais desafios, como o fato de serem filhos de inimigos e dos pais terem uma outra pessoa em comum. Não posso dizer mais, pois será spoiler. Só lendo para compreender. Hahaha.

O livro aborda temas como amor proibido, redenção e vingança. Como esses elementos se entrelaçam na trama, proporcionando uma experiência cativante aos leitores?

Dosei bem o proibido, fazendo com que os leitores passem a torcer bravamente pelo casal. Coloquei um grande segredo na trama, e esse segredo é o ponto principal que faz com que os pais deles se tornem inimigos. Sem dúvidas a descoberta desse segredo deixará os leitores surpresos e responderá muitas questões. Preparem-se para uma pitada de redenção, uma dose cavalar de intensidade, e muita adrenalina durante a leitura.

O enredo é narrado sob os pontos de vista de Bruno e Maia. Como a escolha dessa perspectiva contribui para a profundidade da história e a conexão dos leitores com os personagens?

Acredito que traga uma maior proximidade entre leitor e protagonistas, sem a necessidade de haver mais pontos de vistas, tornando-se assim uma leitura mais intensa e emocionante.

Além da trama central, você destaca o machismo estrutural brasileiro. Como essa questão é abordada no contexto da trama e por que era importante incluí-la na narrativa?

Fugindo novamente daquele “mais do mesmo” — que vejo em muitos romances de máfia — e do cenário antigo do Jogo do Bicho — que era devidamente dominado por homens — eu quis radicalizar, dar voz e poder a uma mulher. Achei crucial criar a Maia desta forma, para dar um toque de eletricidade a mais na trama.

Jussara Leal

O livro também explora o Carnaval como cenário. Como essa festividade icônica do Brasil se torna um elemento importante na trama?

Os grandes bicheiros exercem muita influência sobre o carnaval desde os anos 30. Começou pelo famoso “senhor Natal”, como era popularmente conhecido Natalino José do Nascimento, que se tornou investidor e patrono da Portela. E, depois, surgiram vários outros, como Castor de Andrade com a Mocidade, Anísio com a Beija-flor, entre outros. Por conta disso, decidi começar a história com o Carnaval, mostrando a influência, o domínio, as disputas e servindo de cenário para o primeiro encontro de Bruno e Maia.

Durante a escrita, houve algum personagem secundário que ganhou destaque de maneira surpreendente e que você não esperava?

Dois dos personagens secundários são relevantes para história, pois através de ações deles que a trama começa a ganhar vida. Eles são o ponto crucial para encontro de Bruno e Maia, e toda problemática que vem a seguir.

Em meio aos segredos e traições, quais mensagens ou reflexões espera que os leitores retirem de “Herdeiro do Império”?

Acredito muito que passamos a refletir um pouco mais sobre pré-julgamentos com essa história. Nem todas as pessoas são exatamente como julgamos, tanto para o bem, quanto para o mal. Toda história tem dois lados.

Você já alcançou a marca de mais de 150 milhões de leituras na Amazon. Como foi essa jornada na escrita e como a interação com os leitores influenciou sua escrita?

Comecei despretensiosamente. Durante mais ou menos três anos, escrevi gratuitamente no aplicativo Wattpad, sem pretensão de fazer da escrita a minha carreira. No entanto, justamente devido a minha relação incrível com os leitores, eles foram me conduzindo e incentivando a ir além.  Por conta deles, passei a publicar minhas histórias na Amazon, alcancei ainda mais leitores do mundo inteiro, tornei-me best-seller, e fiz da escrita a minha profissão que tanto amo.

Já tem algum lançamento em vista? Como está seu planejamento? Pode nos dar uma prévia do que os leitores podem esperar?

Tenho alguns. Minha mente não para. Estou me planejando para aprofundar um romance policial que comecei em um projeto de leituras rápidas da Amazon, e planejo escrever uma trilogia de romance universitário que se passa no Brasil, fugindo um pouco dos romances universitários que se passam nos EUA. Sou uma apaixonada pelo Brasil, especialmente por Minas Gerais, que será o estado que escolhi — mais uma vez — para abordar meu novo projeto.

Acompanhe Jussara Leal no Instagram

TAGGED:
Share this Article