Num mundo que clama por humanização, ainda há espaço para o “Ideal”?