Até os mais desprezíveis podem ter um propósito?