Em uma entrevista recente, Zachary Mooren compartilhou detalhes sobre sua colaboração com Mia Goth no filme “Maxxine”, destacando a intensidade e a dinâmica perigosa entre seus personagens no set.

Zachary descreveu seu personagem, Buster, como um imitador de Buster Keaton, cuja preparação envolveu uma imersão nos filmes do icônico ator. A complexidade do personagem, que pode ou não ter as melhores intenções para Maxine, adicionou camadas intrigantes ao seu desempenho.

Comparando seus projetos recentes, “Maxxine” e “Cat Person”, Zachary destacou as diferentes atmosferas e desafios de cada set. “Cat Person” teve uma vibe mais leve e cheia de coração, enquanto “Maxxine” trouxe uma escuridão pesada que exigiu um foco intenso de todos os envolvidos. Zachary compartilhou suas expectativas para o futuro, expressando um desejo de colaborar com estúdios e diretores inovadores como A24 e Ti West. “MaXXine” estreia no dia 11 de julho de 2024 nos cinemas brasileiros.

Zachary, como foi a experiência de trabalhar com Mia Goth no filme “Maxxine”? Pode nos contar um pouco sobre a dinâmica entre vocês no set?

Trabalhar com a Mia foi tão intenso quanto eu esperava. Sou fã da Mia há um tempo. Nós temos uma abordagem semelhante. Quando nos conhecemos, tentamos manter as coisas leves e nos conhecer um pouco. No entanto, assim que começamos a filmar, as coisas ficaram perigosas. Como deveriam ser dada a dinâmica entre nossos personagens.

O que você pode compartilhar sobre o personagem Buster em “Maxxine” e como foi o processo de preparação para esse papel?

Ele é um imitador de Buster Keaton e pode ou não ter as melhores intenções para Maxine. A preparação para o papel foi uma diversão – assistir a tantos filmes de Buster Keaton quanto eu conseguia encontrar. Quando Keaton começou a fazer filmes falados, sua voz me chocou. Eu nunca tinha ouvido antes de começar minha pesquisa e fiquei surpreso com o quão profunda e monótona ela era. Muito diferente de como eu o percebia em seus filmes mudos.

“Cat Person” foi um projeto significativo para você no ano passado. Como você se preparou para interpretar Bernhardt e quais foram os maiores desafios desse papel?

Não havia muito para se preparar para “Cat Person”. Era principalmente sobre desenvolver uma facilidade com o personagem de Nicholas Braun para que tivéssemos uma sensação de história entre nós. Meu maior desafio ao filmar esse foi não sair do personagem durante uma cena para elogiar Emilia Jones. Ela é uma ótima atriz e eu estava apenas tentando acompanhar.

Comparando “Maxxine” com “Cat Person”, quais diferenças principais você encontrou na abordagem de seus personagens e na atmosfera de cada set de filmagem?

Os filmes tinham uma vibe totalmente diferente dentro e fora do set e são tipos de filmes completamente diferentes. “Cat Person” tem muito coração – os personagens são em sua maioria boas pessoas que apenas se entendem mal. Filmar foi fácil. “Maxxxine”, por outro lado, tem uma escuridão pesada em todos os personagens e no mundo que estávamos criando. Pela minha experiência, o elenco e a equipe estavam muito focados em acertar esse tom, e filmar minha parte foi tão pesado quanto parece no filme. Às vezes, é bom ir a lugares sombrios para projetos que você sente que valem a pena.

Você poderia qual foi o seu momento favorito nas filmagens de “Maxxine”?

Meu momento favorito no set foi na verdade em um dia de gravação adicional. Eu tinha filmado todas as minhas sequências com a Mia e tive que voltar um mês depois para fazer uma gravação adicional do final. Ver a prótese e filmar o close-up nos fez rir muito. Parecia que tínhamos passado pela parte difícil e podíamos rir de como era ridículo o que estávamos fazendo.

Zachary Mooren (Chris Loupos)
Zachary Mooren (Chris Loupos)

Como esses papéis recentes influenciaram sua carreira e quais são suas expectativas para o futuro após a estreia de “Maxxine”?

Esses papéis são ao lado de alguns dos meus atores favoritos trabalhando hoje. Sou extremamente grato por ter um ingresso na primeira fila do processo deles e poder roubar ideias para minha bagagem de truques. Também foi um lembrete de que às vezes é bom dizer não a projetos que não estão alinhados com onde você quer ir criativamente. Você pode não estar pagando suas contas, mas está fazendo coisas que realmente sente que o público quer ver.

Além de “Maxxine” e “Cat Person”, há algum outro projeto ou papel que você gostaria de explorar no futuro?

Não estou tão preocupado com os papéis quanto estou com os estúdios e diretores. Quero trabalhar com estúdios como a A24 e diretores como Ti West, que estão dando grandes saltos nos filmes e empurrando as coisas para o futuro em vez de fazer as mesmas coisas repetidamente. Não saber que tipo de papel está no seu futuro é parte da empolgação para mim como ator. Quero ser surpreendido, assustado e completamente abandonado antes de começar a trabalhar.

Acompanhe a carreira de Zachary Mooren no IMDB

*Entrevista feita em parceria com a PopSize United Kingdom

Share.